Setor de baterias do Paraná avança no cumprimento da PNRS com trabalho integrado do IBER, empresas, órgãos estaduais e municipais.

Em 2019 os associados do IBER promoveram a destinação correta de 14,4 mil toneladas de baterias chumbo-ácido. 21 deles estão no Paraná e atualmente, novos projetos descortinam futuro promissor para adesão de novas empresas através da ação do Estado e suas políticas ambientais.

A cadeia produtiva de baterias de chumbo-ácido do Paraná contribui de forma decisiva para o avanço da logística reversa no Brasil e cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Somente em 2019, segundo dados recém-compilados no Relatório Anual do Instituto Brasileiro de Energia Reciclável – IBER, 17% do total de baterias colocadas no mercado foram comprovadamente destinadas de forma correta.

Os associados da entidade no Paraná, são, em sua maioria, empresas de pequeno porte, o que reforça necessidade de garantir o cumprimento da legislação vigente por meio da entidade gestora que está alinhada com os órgãos competentes e possui um modelo de gestão altamente confiável para comprovar o atendimento à PNRS. Dos 21 associados, 13 são distribuidores, três recicladores, dois fabricantes, um comerciante varejista, uma empresa importadora e uma Central de Distribuição.

Antes do início do trabalho do IBER, que começou em dezembro de 2017, com a assinatura do Termo de Compromisso, o mercado local enfrentava o desafio da atuação irregular de diversas empresas. Essa ainda é uma realidade, mas que vem sendo combatida com a atuação integrada do Instituto, dos seus associados e da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do Paraná (SEDEST).

Entre 2017 e 2019, mais de 50 mil toneladas de baterias receberam destinação ecologicamente correta no Paraná. E, ano a ano, os processos de logística reversa dos associados ao IBER vêm sendo aprimorados, além de auditados por um agente externo e com um trabalho in loco para garantir a confiabilidade das informações.

Assinatura do Termo de Compromisso, em 2017, início dos trabalhos no Paraná. De lá para cá, mais de 50 mil toneladas de baterias receberam destinação ambientalmente correta.

Em 2019, com todas os dados validados e corrigidos, foi alcançado um nível de controle maior, com mais confiabilidade através do cruzamento de dados, o que permitiu a adoção da certificação do IBER pela primeira vez no Paraná.

O IBER já abriu diálogo com a SEDEST e o IAT para avançar nos trabalhos e ter uma gestão e acompanhamento ainda mais fortalecidos sobre a performance da cadeia de baterias, com participação ativa do setor privado.

Outra ponte fundamental para o fortalecimento das políticas ambientais de vanguarda é a interlocução do IBER com o Grupo R-20, órgão consultivo, coordenado pela SEDEST e formado por representantes dos 399 municípios do Paraná dedicado a consolidarem a implementação da PNRS e das Leis Estaduais de Resíduos Sólidos, bem como o Plano Estadual de Resíduos Sólidos.

Novos avanços descortinam um futuro ainda mais promissor para o cumprimento da PNRS pelo setor de baterias paranaense. A plataforma de gestão do IBER poderá ser utilizada pelo Ministério Público do Paraná e será estratégica para o acompanhamento e gestão dos distritos fiscalizados pelo órgão no estado, fornecendo as informações em tempo real sobre a regularidade das empresas e os dados de logística reversa. O IBER também iniciou o processo de acreditação junto ao Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para sua plataforma de gestão.

Buscando a expansão do sistema para os municípios e comércio varejista, o IBER possui ainda dois projetos-piloto que estão em andamento com os municípios de Londrina e Toledo. A estratégia inclui Projetos de Lei municipais e acordos de cooperação para auxiliar na fiscalização de empresas do setor de baterias e no cumprimento de suas obrigações ambientais.

Comentários