Integração entre IBER e sistemas de logística reversa existentes garantem maior confiabilidade nas informações de logística revers

União entre as plataformas existentes é estratégica para o gerenciamento de dados de Logística Reversa e fiscalização do atendimento à PNRS nos estados brasileiros.

O IBER tem trabahado de forma integrada com seus associados e também junto aos sistema vigentes que dão apoio aos órgãos ambientais para a gestão da logística reversa. O sistema de Manifesto de Transporte de Resíduo on line (MTR on-line) é uma dessas plataformas, através da qual os órgãos obtêem informações relevantes para validar o controle das empresas, junto às entidades gestoras.

A união das tecnologias tem sido apontada pelo Ministério do Meio Ambiente como estratégica para o gerenciamento de dados e será fundamental para auxiliar os principais órgãos ambientais na fiscalização do atendimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

O MTR acompanha a regularidade das empresas durante a circulação dos resíduos dentro de determinado estado, enquanto o sistema de Logística Reversa do IBER certifica as empresas que cumprem a legislação e o alcance das metas e responsabilidades expressas pela PNRS, Acordo Setorial e Termos de Compromisso Estaduais.

Hoje, o MTR é obrigatório em quatro estados brasileiros: Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Nos dois primeiros, o IBER tem firmadas uma Resolução e Termos de Compromisso, respectivamente.

No estado mineiro, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e a Fundação Estadual do Meio Ambiente – FEAM estão em um processo mais avançado, pois já solicitaram a inclusão do uso do sistema MTR como parte da certificação à PNRS realizada pelo IBER. Essa recente união será alvo de um treinamento, via Webinar, que está sendo estruturado pela entidade gestora de logística reversa da cadeia de baterias chumbo-ácido para apoiar seus associados no atendimento de suas responsabilidades.

“Esse trabalho, especialmente em Minas Gerais, permitirá o cruzamento de dados entre os dois sistemas e garantir a confiabilidade das informações em ambos. É um passo à frente que os órgãos ambientais mineiros dão no acompanhamento da regularidade das empresas” reforça a diretora-executiva do IBER, Amanda Schneider.

Comentários