Economia Circular é pilar fundamental da agenda de futuro da indústria brasileira

Confederação Nacional da Indústria defende construção de uma economia mais produtiva, inovadora, sustentável e integrada ao mercado internacional. O IBER tem promovido, em conjunto com os seus associados, uma transformação sustentável e consolidada na cadeia produtiva de baterias chumbo-ácido.

Competitividade com Sustentabilidade. Esse é o título do organograma que sintetiza o Mapa Estratégico da Indústria elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) para até 2022. Elaborado pela entidade com a participação de líderes empresariais, o estudo é uma agenda para o Brasil, pois visa à construção de uma economia mais produtiva, inovadora, sustentável e integrada ao mercado internacional. Um capítulo inteiro do documento é dedicado à Economia Circular e as oportunidades que ela apresenta para as empresas e para o País.

O IBER tem promovido, em conjunto com os seus associados, uma transformação consolidada na cadeia produtiva de baterias chumbo-ácido, posicionando-a como referência na implementação da Economia Circular ao contribuir para que 256 mil toneladas do produto tenham recebido destinação ambientalmente correta em 2019. As 198 empresas associadas ao IBER representam cerca de 80% do mercado brasileiro.

O conceito-chave discutido pela CNI é de “gestão de resíduos como recursos de valor”. Segundo o documento, para replicar o modelo de economia circular em larga escala, “é necessário oferecer estímulos à reciclagem, à remanufatura, à reutilização, ao compartilhamento, à manutenção e ao redesenho de produtos”.

Nesse sentido, o sistema de logística reversa do IBER tem se mostrado uma ferramenta estratégica. A plataforma, além de permitir o monitoramento mensal das empresas com relação à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e apontar as que são destaque na gestão da logística reversa, conecta as empresas que se responsabilizam pela gestão de seus resíduos.

Os ganhos são enormes. Segundo os estudos da CNI, estima-se que na Índia, a Economia Circular tenha um potencial para gerar benefícios de 624 bilhões de dólares por ano até 2050. Já na Europa, este potencial pode chegar a 320 bilhões de euros até 2025. Esses benefícios bilionários se referem a redução de custos de produção, investimentos diretos em Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, mais receita a partir de maiores vendas para consumidores sustentáveis, geração de valor em toda cadeia.

Todas essas vantagens têm sido percebidas na prática pelas empresas associadas ao IBER que tiveram sua regularidade comprovada e os seus processos aprimorados em função do trabalho contínuo para avanço da Logística Reversa no setor. Para as baterias, o futuro de competitividade e sustentabilidade já é uma realidade.

Comentários